Top7ranking: 7 propagandas politicamente incorretas

7 propagandas politicamente incorretas



Mulheres feitas para cuidar da casa e servir os maridos, criança que hipnotiza o adulto para comprar chocolate e Papai Noel que fuma. Personagens como esses, que hoje causariam indignação em muitos consumidores e resultariam em processos para as empresas, eram comuns em propagandas do passado.

Novas leis, crescimento da importância das mulheres no mercado de trabalho e mudanças nos hábitos de consumo transformaram a publicidade de produtos no Brasil e no mundo.

Confira, a seguir, 7 propagandas politicamente incorretas:

7° Volkswagen



"Mais cedo ou mais tarde sua esposa vai dirigir. Esta é uma das razões para você possuir um Volkswagen", dizia a propaganda. O argumento era o que de que, se a mulher batesse o carro, as peças de substituição não eram caras.

6° Baton



"Peça Batom" e "Compre Baton" eram frases repetidas diversas vezes na propaganda do chocolate da Garoto. Atualmente, frases imperativas assim são evitadas em comerciais dirigidos a crianças.

5° leite Moça



Hoje seria muito difícil que um comercial como esse, que sugeria que as mães dessem Leite Moça para seus bebês, não fosse criticado.

4° Gillette Safety Razor


A imagem usada na propaganda da Gillette hoje assustaria os mais sensíveis: um bebê usando uma lâmina de barbear. A ideia foi mostrar que o produto era seguro.

3° Viceroy



Nas propagandas antigas de cigarros, o produto era elogiado até por profissionais da saúde: "Como seu dentista, eu recomendo Viceroys", dizia este anúncio.

2° Lucky Strike


Até Papai Noel era fumante nos comerciais do passado. Na imagem, propaganda da marca de cigarros Lucky Strike.

1° Chase & Sanborn



Na propaganda de café, a mulher apanhava do marido por não usar a marca Chase & Sanborn. "Se seu marido descobrir que você não está usando um café mais fresco...", ameaçava o comercial.

Fonte: UOL Economia
Fotos: Reprodução/ UOL Economia/ Internet
Página anterior Próxima página